segunda-feira, 8 de junho de 2009

Para alunos dos segundos anos- Aula sobre Geografia agrária.

Para acessar a aula completa clique no link abaixo ou copie e cole na barra de endereços do seu navegador
http://geografiaatualidade.blogspot.com/2008/08/aula-8-geografia-agrria.html

2 comentários:

robson disse...

Home Relevo Brasileiro << voltar
Relevo Brasileiro

As classificações do relevo brasileiro - divisões do território em grandes unidades - baseiam-se em diferentes critérios, que refletem o estágio de conhecimento à época de sua elaboração e a orientação metodológica utilizada por seus autores. A primeira classificação brasileira, que identifica oito unidades de relevo, é elaborada, nos anos 40, por Aroldo de Azevedo. Em 1958 é substituída pela tipologia de Aziz Ab´Sáber, que acrescenta duas novas unidades de relevo. Uma das classificações mais recentes (1995), é a de Jurandyr Ross, do Departamento de Geografia da USP. Seu trabalho é baseado no projeto Radambrasil, um levantamento realizado entre 1970 e 1985 que fotografou o solo brasileiro com um equipamento especial de radar instalado num avião. Ross considera 28 unidades de relevo, divididas em planaltos, planícies e depressões.

O relevo brasileiro tem formação antiga e resulta principalmente da ação das forças internas da Terra e da sucessão de ciclos climáticos. A alternância de climas quentes e úmidos com áridos ou semi-áridos favoreceu o processo de erosão.

O território brasileiro, de um modo geral, é constituído de estruturas geológicas muito antigas, apresentando, também, bacias de sedimentação recente. Essas bacias recentes datam do terciário e quaternário (Cenozóico 865 milhões de anos) e correspondem aos terrenos do Pantanal Mato-grossense, parte da bacia Amazônica e trechos do litoral nordeste e sul do país. O restante do território tem idades geológicas que vão do Paleozóico ao Mesozóico (o que significa entre 570 milhões e 225 milhões de anos), para as grandes áreas sedimentares, e ao pré-cambriano (acima de 570 milhões de anos), para os terrenos cristalinos.

As estruturas e formações rochosas são antigas, mas as formas de relevo são recentes, decorrentes do desgaste erosivo. Grande parte das rochas e estruturas do relevo brasileiro são anteriores à atual configuração do continente sul-americano, que passou a ter o formato atual depois do levantamento da cordilheira dos Andes, a partir do Mesozóico. Podemos identificar três grandes unidades geomorfológicas que refletem sua gênese: os planaltos, as depressões e as planícies.

robson disse...

Relevo Brasileiro

Relevo corresponde às irregularidades contidas na superfície terrestre. O Brasil possui um relevo plano sem a presença de grandes montanhas, somente 3% do território nacional possui altitude superior a 900 metros.

O relevo apresentado no Brasil é resultado das ações dos fatores modeladores, que podem ser endógenos ou exógenos.

Os fatores endógenos (internos) correspondem ao vulcanismo e o deslocamento de placas litosféricas, já os fatores exógenos (externos) são decorrentes de processos erosivos promovidos pela ação do vento (eólica), chuva (pluvial) e rios (fluvial). O relevo brasileiro foi delineado ao longo de milhões de anos.

Os tipos de relevo existentes no Brasil recebem duas formas de abordagem. A primeira abordagem foi realizada na década de 60 pelo Geógrafo brasileiro Aziz N. Ab’Saber, que apresentou duas formas de relevo constituídas por planaltos e planícies. Segundo Ab’Saber, aproximadamente 75% do território nacional é composto pelo planalto das guianas e o planalto brasileiro.

O restante do território (25%) é constituído por planície, que são classificadas em planície e terras baixas Amazônicas, planície e terras baixas Litorâneas e a planície do Pantanal.

No ano de 1989, o geógrafo da Universidade de São Paulo, Jurandyr Ross, a partir de um profundo estudo da vegetação, hidrografia e geologia, estabeleceu uma nova classificação acerca do relevo brasileiro.

De acordo com os dados levantados através de radares acoplados em aviões, ele constatou que o território brasileiro apresenta três características de relevo, planaltos, planícies e depressões.

Na classificação de Jurandyr Ross, os tipos de relevo apresentados subdividem-se em 28 configurações, sendo 11 planaltos (acima de 300 metros de altitude), 6 planícies (200 metros de altitude) e 11 depressões (altitude varia entre 100 e 500 metros).