quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Aula 11- Dinâmica do clima e domínios naturais do mundo e do Brasil.

O planeta
A Terra apresenta a forma de um geóide e recebe apenas 1 bilhonésimo da energia emitida pelo Sol, que mesmo assim é a principal fonte energética da mesma.
A energia é responsável pela existência da maior parte dos recursos naturais e como a distribuição da mesma é diferente sobre a superfície a distribuição dos recursos se torna também desigual.

A insolação varia conforme a Latitude. Os movimentos da Terra no espaço também afetam neste fenômeno.
Movimentos terrestres- Rotação e Translação.
Rotação responsável pelos dias e noites no sentido de oeste para leste.
Translação dando origem as estações do ano.
Para contagem das horas usamos os MERIDIANOS, cujo central adotado foi Greenwich(ING)
DATA LINE -180°

Solstícios e Equinócios
Solstício é típico do verão e dita que o hemisfério por ele apropriado esta recebendo maior incidência solar naquele momento. Em contrapartida o Hemisfério que passa pelo inverno recebe menor insolação.
Equinócio ocorre no outono e na primavera com a igual distribuição solar entre os dois hemisférios.


Zonas térmicas
A Zona Intertropical(23°27’ de N á S) apresenta as maiores médias térmicas do planeta. Sendo mais elevadas nas proximidades do Equador.
As Zonas Glaciais são o extremo oposto a essa situação(entre 66°33’ e 90°).
Entre elas a Zona Temperada é o meio termo.

Zonas Térmicas do planeta.
Circulação atmosférica.
A energia do Sol é a maior responsável pela circulação atmosférica e sua dinâmica. No Equador com o maior aquecimento o ar se torna mais leve, se dilata e sobe, espalhando-se tanto para norte quanto para sul. Esse movimento do ar caracteriza uma ZONA DE BAIXA PRESSÃO ATMOSFÉRICA, que atraí o ar proviniente dos trópicos.

Esses ventos são conhecidos como ALÍSIOS resultantes da diferenciação de pressão atmosférica. São inclinados para oeste tendo direção NE-SO no HN e SE-NO no HS.
O ar que saí do Equador sobe e fica mais frio e denso a medida que se eleva. Na altura dos trópicos ele desce e forma os Contra-Alísios
Alísios e Contra-Alísios formam a Célula de Hadley. Alísios dominam as baixas latitudes e os Contra dominam as altas.

Observações
Na altura do paralelo 60° existe uma BAIXA PRESSÃO.
Chuvas de convecção é o processo de subida e resfriamento do ar úmido o ano inteiro nas regiões de baixa pressão próximas ao Equador.
O oposto ocorre nas regiões tropicais(descida do ar seco), o que explica a ocorrência da maioria dos desertos nesta faixa planetária.
Ventos de oeste ou ocidentais se formam nos trópicos e se movimentam em direção as Áreas Temperadas.

Ao encontrar o ar frio dos pólos é produzida a frente polar. Ela se desloca de acordo com a época do ano e é empurrada em direção ao Equador no verão e em direção aos pólos no inverno.

Outros fatores que influênciam a temperatura além da latitude.
Altitude(quanto maior mais rarefeito o ar,menos calor recebido)
Proximidade do Oceano(Maritimidade e Continentabilidade)-Explicando por que no HN os invernos são mais rigorososos.
Correntes marinhas (Frias trazem aridez e vida marinha- quentes trazem maior pluviosidade e maior temperatura)

Zonas climáticas e Climas do Brasil.
A dinâmica climática da terra é resultante da formação e do deslocamento das massas de ar que assim formam os diversos tempos atmosféricos.
A repetição destes tempos permite-nos identificar os grandes tipos climáticos do planeta.
Principais tipos climáticos:
Equatorial
Tropical
Subtropical
Desértico
Semi-árido
Mediterrâneo
Temperado
Frio
Frio de alta montanha
Polar



TIPOS CLIMÁTICOS
1 - Equatorial - possui, em geral, as maiores médias térmicas anuais do Planeta, devido a intensidade de insolação que as baixas latitudes recebem. Apresenta uma pequena amplitude térmica diária e anual. Caracteriza-se por intensas precipitações de chuvas e ausência de estação seca. A grande quantidade de chuva resulta do mecanismo da convenção do9s ventos alísios de ambos os hemisférios que ascendem na Zona de Baixa Equatorial. São as chuvas convectivas.
2 - Tropical - emoldura o equatorial, no hemisfério Sul, diferenciando-se deste pela alternância entre uma estação chuvosa e outra seca. As chuvas concentram-se no verão. Já no hemisfério Norte, os meses chuvosos são os do meio do ano.
3 - Desértico - Nas latitudes tropicais caracteriza-se pela carência de chuvas: menos de 250 mm/ano. Nas áreas mais secas a precipitação pode chegar a 10 min/ano. O mecanismo da descida dos ventos contra-alísios nas zonas de alta pressão tropicais determina as fracas precipitações. Os ventos sopram das áreas de anticiclonais para as ciclonais. Então o vento frio e seco que se encontra com o alísio que retorna, depois de perder calor, tornando-se totais pesado. Agora, as correntes marítimas frias, tem participação expressiva na formação de desertos, tais como: Atacama - pela corrente de Humboldt, na costa chilena e peruana, e da Namíbia- pela corrente de Benguela, no sudoeste africano. A corrente das Canárias exerce influência secundária no Saara Ocidental . As amplitudes térmicas de verão são mais elevadas que as de inverno. Mas a perda de calor à noite, transformam-se em grandes amplitudes térmicas diárias.
4 - Temperado - distingui-se pelos contrastes sazonais de temperatura. As massas de ar originadas nas latitudes tropicais - controlam as médias de verão; as massas de ar de altas latitudes - controlam as médias de inverno. Apresentam amplitudes térmicas maiores que os climas da zona Intertropical. Os efeitos da maritimidade e da continentalidade atenuam ou acentuam as amplitudes térmicas. Maritimidade- temperados oceânicos, típicos da fachada Atlântica da Europa, são úmidos com inverno ameno. Confnentalidade- temperado continental, caracteriza­se por invernos frios e elevadas temperaturas térmicas. Ocorrem na Europa Central e Oriental e porções Leste e Central dos Estados Unidos. Nesse caso a amplitude térmica anual é maior.
5 - Mediterrâneo - é uma variante do clima temperado, caracteriza-se por verões quentes e secos, e invernos amenos e e chuvosos. Aparece na Europa Meridional onde os verões sofrem a influencia das massas de ar quentes do Saara. Aparece em pequenas áreas do Norte e Sul da África, porção meridional da Austrália, parte do litoral da Califórnia (EUA) e costado Chile.
6 - Subtropical - ocorre em áreas de transição entre os climas das zonas Temperada e Intertropical. Aparece na Bacia Platina, na América do Sul, no Sudoeste dos Estados Unidos e da China. Quanto a temperatura, se assemelha ao tipo mediterrâneo, com verões quentes e invernos amenos. Porém, as chuvas são bem distribuídas o ano inteiro, não havendo estação seca. Fato explicado pela ação de massas de ar tropicais oceânicas e das chuvas frontais provocadas pelos avanços da frente polar.
7 - Semi-árido - das latitudes temperadas- distingui-se pelas baixas precipitações entre 250 e 500 mm/ano. Domina as Interiores da Ásia, América do Norte e América do Sul, isoladas da ação de massas de ar oceânicas pela presença das elevadas altitudes. (no caso brasileiro a altitude não é tão elevada, podemos citar o Planalto da Borborema). Apresenta elevadas amplitudes térmicas anuais e invernos rigorosos (exceção feita ao Brasil). Nas latitudes tropicais da África e da Austrália, orlas semi-áridas, formam um anel em torno dos desertos. Nas áreas tropicais do semi-árido ocorrem verões quentes e pequenas amplitudes térmicas (caso brasileiro).
8 - Frio - aparece na faixa limítrofe da Zona Temperada, na América do Norte e na Eurásia. Devido a baixa evaporação, as precipitações são reduzidas. Já as amplitudes térmicas são elevadas, devido ás diferenças sazonais na intensidade da insolação.
9 - Polar - ocorre nas altas latitudes - hemisfério Norte nas fraldas árticas do Norte, Groelândia e Eurásia. No hemisfério Sul, em toda Antártida. Os invernos gelados resultam da ausência de insolação das "noites polares".
10 - Frio de Montanha - apresentam médias térmicas muito baixas devido a altitude. As amplitudes térmicas não ultrapassam 0°C, menores que aquelas registradas no frio polar. Já as precipitações são maiores porque as cordilheiras recebem constantes precipitações de neve, provocadas pela atuação de massas de ar úmidas.


Na Índia e em toda Ásia Meridional o clima tropical advém de um movimento atmosférico muito diferente dos demais do planeta. O deslocamento estacional dos centros de alta pressão do continente para o oceano devido as diferenças termais são denominados MONÇÕES.

O clima Equatorial é o clima quente e com grande quantidade de chuva durante o ano- em torno de 2000mm. Não existe estação seca.
O Tropical apresenta alternância entre seca e chuva(estas no verão).
Clima desértico ou semi-desértico caracterizam-se por ausência de chuvas -entre 10 e 500mm/ano
Zonas Temperadas apresentam vários tipos de clima. É distinguido pelo contraste sazonal da temperatura. AT maiores que as da zona Intertropical.
No Mediterrâneo existem verões quentes e secos.
Climas frios aparecem nas altas latitudes. O Polar e o Frio têm as maiores amplitudes e as menores médias térmicas do planeta.

Vale lembrar que nas grandes elevações aparece o clima Frio de montanha que está condicionado não a latitude em que se encontram, mas sim a altitude dos mesmos.
Dinâmica do clima no Brasil.

Duas regiões como fontes de massa de ar: a Amazônica que forma a massa Equatorial continental (mEc), quente e úmida, e a planície do Chaco, centro de origem da massa Tropical continental (mTc), quente e seca.
As demais massas são de origem no oceano. São importantes para o Brasil a massa Equatorial atlântica(mEa), quente e úmida, atuante no litoral amazônico e no meio Norte; a massa Tropical atlântica (mTa), também quente e úmida que influência o clima da costa oriental do País e tem poder para invadir o interior do mesmo; e a massa Polar atlântica, fria e úmida que pode no inverno chegar até a amazônia sendo este fenômeno conhecido como “Friagem”. Atua principalmente no Sul e Sudeste e é formada na latitude da Patagônia.
Os cinco tipos climáticos Brasileiros:
Equatorial Úmido- Dominado pela mEc, quente e chuvoso, pequena AT. Chuvas convectivas(ascende e condensa), >2000mm/ano.
Litoral úmido- mTa, quente chuvoso, de 1500 à 2000mm/ano. Nos verões a massa avança sobre as regiões costeiras. Seu encontro com as escarpas planálticas (Borborema, Diamantina, Mantiqueira, Serra do mar) e que provoca Chuvas OROGRÁFICAS ou de relevo. No inverno quando a mPa chega até o NE o encontro com a mTa e formam as chuvas frontais.

Tropical- Invernos secos e verões chuvosos,+/-1500mm/ano. Verão dominado pela mEc e mTa. O calor do continente aquece as bases de ar provocam a ascensão –instabilidade e a ocorrência de pancadas de chuva. No inverno a mEc recua, a mPa avança e ocorrem as frentes frias.
Tropical semi-árido – Sertão NE. Dispersa as massas de ar, <750mm/ano irregulares.


Subtropical Úmido- mTa sujeito as penetrações constantes da mPa, principalmente no inverno. Maiores AT entre os climas brasileiros, verões quentes e invernos frios. 1500mm/ano sem estação seca. A mTa provoca chuvas no verão devido ao aquecimento do continente. O encontro mTaXmPa provoca as chuvas frontais e após as chuvas a mPa estaciona e causa as ondas de frio.

7 comentários:

anormaulistas disse...

mt boa msm!!está de parabens.

Anônimo disse...

nao gostei

:x

nao tem o vacabulário muito acessivel !

E meio confuso !
desculpa...
mas e minha opiniao

Shiini'Game |iNFInnity disse...

meiu confuso.e mto longo
;x
Mais Vlw a intençao.

ana carla disse...

nossa, se esse vocabulário não tá acessível o que é acessível então?
tá perfeitamente entendível, gostei muito, obrigada.

ana carla disse...

nossa, se esse texto nao é acessível, o que é então?
tá bem entendível e detalhado, parabéns.

rose rodrigues disse...

Excelente trabalho, todos tem opiniões mas quem disse que não está acessível tenho até medo de saber o seu vocabulário. Parabéns
Rose Rodrigues

Anônimo disse...

cu